terça-feira, 14 de fevereiro de 2006

Dia dos Namorados - investigadores provam que o amor é mesmo benéfico para a saúde


S. Valentim simboliza casais felizes. A receita para uma vida mais saudável é fácil, não custa dinheiro e tem garantias de sucesso. Basta amar para, diz a ciência, diminuir stress e peso, ao mesmo tempo que se prolongam os anos de vida e se fortalece o coração. Parece mesmo que tudo aquilo que precisamos é... amor.

Não tem contra-indicações ou tão-pouco é preciso procurá-lo na farmácia. Não se trata de uma pílula mágica, mas tem a capacidade de reduzir o stress, diminuir o peso e acrescentar anos de vida. Chama-se amor e, dizem os especialistas, é um remédio santo para melhorar a saúde. Por enquanto, ainda não foi possível destilar o romance numa fórmula, mas são vários os estudos que provam ser capazes de fazer milagres.

O sistema cardiovascular é dos que mais ganha com a paixão. “O coração pode ser fonte de doenças, mas é também de amor, prazer, alegria.” As palavras são de um especialista, Carlos Catarino, que faz do trabalho com corações a sua profissão. E para o cardiologista não restam dúvidas. “Quando se ama alguém, as pessoas andam melhor e cuidam-se mais. Prestam outra atenção ao que se passa com o seu organismo e, logo, têm melhor saúde.”

Mas porque a ciência não se satisfaz com palavras, muitos são os estudos que dão, na prática, as provas do que a teoria há muito vem apregoando. A começar pelas doenças que afectam o músculo que comanda a vida. De acordo com uma equipa de cientistas da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, que recorreu a testes feitos através de angiografias – exame capaz de ver o que se passa no interior dos vasos sanguíneos –, quem ama tem menos bloqueios nas artérias, o que permite ao sangue circular mais livremente.

Um ponto a favor do amor. Mas há mais. Um abraço apertado vindo de quem se ama opera verdadeiras maravilhas. Por vezes, diz quem sabe, basta apenas um carinho deste tipo para que a tensão arterial volte aos valores considerados ideais para a saúde. Assim confirmaram os médicos da Universidade da Carolina do Norte. Além das vantagens do abraço ocasional, os especialistas foram mais longe e comprovaram o poder de um abraço diário: os benefícios são semelhantes aos de alguns dos mais poderosos medicamentos para a hipertensão.

DAR FAZ TÃO BEM COMO RECEBER

A respiração altera-se. O coração acelera e as palmas das mãos enchem-se de suor. Não há droga mais forte do que amor, capaz de provocar intoxicações de paixão, desejo, atracção. Mais do que isso, o remédio que dá pelo nome de romance tem ainda a capacidade comprovada de aumentar a esperança de vida e promover estilos mais saudáveis.

Se receber amor parece fazer bem ao coração, devolver o sentimento tem também efeitos comprovados na saúde. Diz um estudo, com mais de 700 idosos, que os efeitos do envelhecimento podem ser retardados quando há amor para dar às caras-metades e à comunidade em que as pessoas estão inseridas.

Os laços estabelecidos com amigos, família, colegas – envolvendo a partilha de amor e intimidade de algum tipo – podem proteger contra doenças infecciosas. Noutro estudo, também realizado por cientistas norte-americanos, 276 voluntários saudáveis com idades entre 18 e 55 anos receberam gotas que continham o vírus da gripe comum. A maioria acabou infectada, mas nem todos desenvolveram sintomas da doença. O risco foi quatro vezes superior para quem não mantinha relações de amor ou amizade.

“Estar apaixonado implica um estado alterado”, explica o psicólogo Nuno Nodin. “As pessoas começam a ver apenas o lado cor-de-rosa, o lado positivo das coisas. E sabemos que há uma relação íntima entre o estado de espírito e o do corpo. Por exemplo, o facto de uma pessoa estar deprimida vai contribuir para a depressão do seu sistema imunitário. E o oposto é também verdade.”

MAIS ORGASMO, MENOS DOENÇA

Uma relação a dois não fica completa sem o sexo, que pode ser também fonte de saúde. Em 1999, um estudo publicado no ‘British Medical Journal’ dizia que os homens que tinham pelo menos dois orgasmos por semana corriam menos risco de morte por diversas causas. Dois anos depois, outro trabalho revelava que sexo três vezes por semana reduzia para metade o risco de ataque cardíaco. Depois, há ainda a perda de peso: numa sessão amorosa consomem-se cerca de 200 calorias, favorece-se a circulação sanguínea e aumentam os níveis do bom colesterol.

São muitas as vantagens do sexo, revela a ginecologista Maria do Céu Santo, para quem a parte mais importante da vida é o namoro. “E tem um impacto grande nas mulheres pós-menopáusicas, uma vez que ajuda a evitar a atrofia da vagina, além de servir de factor de prevenção da incontinência urinária.”

AMOR ABENÇOADO POR SÃO VALENTIM

Desconhece-se a origem do Dia de S. Valentim, importado dos EUA para Portugal, por motivos comerciais, no início dos anos 90. O nome pode relacionar-se com um padre de Roma, Valentine. No século III, celebrava casamentos à revelia do imperador Claudius II, que acreditava serem os jovens solteiros os melhores militares. Valentine terá sido morto por ordem de Claudius, quando este descobriu que casava mancebos. Diz a lenda que Valentine foi autor da primeira mensagem de amor, uma carta à filha do carcereiro, terminando com a frase: “Do teu Valentine”.

ATENÇÃO REDOBRADA AO CORAÇÃO

Hoje é dia de pensar no coração por mais do que um motivo. À celebração associada a São Valentim, que comemora o amor entre todos os apaixonados, junta-se uma outra: o Dia do Doente Coronário, data que não vai passar despercebida entre nós. Porque nem só de amor vive o homem. O Clube Rei Coração, um projecto pioneiro de apoio a doentes cardíacos da Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC), realiza uma acção de rastreios às doenças cardiovasculares, principal causa de mortalidade nos países industrializados e responsáveis por uma em cada três mortes entre nós.

A FPC lança o desafio: ‘No Dia dos Namorados, cuide do seu coração’. E convida todos os lisboetas para se deslocarem, entre as 10h00 e as 17h00, à Praça da Figueira, em Lisboa.

À sua espera estará a possibilidade de medirem a tensão arterial, o índice de massa corporal e o perímetro abdominal, alguns dos principais factores responsáveis pelas doenças do coração. “Aumentar a actividade física e ter cuidado com a alimentação são duas formas simples de melhorar em muito a saúde e capazes de prevenir muitos problemas”, confirma o cardiologista Carlos Catarino. Conselhos que serão distribuídos hoje, em forma de brochura, e que podem fazer a diferença entre e vida e a morte.

ENTRE O AMOR E A DOENÇA, APARECENÇA

Estudos revelam que a aparência não é a única questão determinante quando se escolhe parceiro. Há outros factores de atracção como a semelhança com os pais – estudos dizem que os homens querem mulheres parecidas com as mães e elas com os pais.

CÉREBRO
Uma equipa de especialistas da Universidade de Londres usou exames de ressonância magnética para visualizar o cérebro dos apaixonados. E foi possível verificar que há zonas mais activas quando se ama, assim como há outras com menor actividade.

PALAVRAS VÃS
Pode demorar entre 90 segundos e quatro minutos até decidir se se gosta de alguém, o que tem pouco a ver com palavras: 55 por cento está relacionado com a linguagem corporal, 38 por cento com o tom e velocidade da voz e apenas sete por cento com aquilo que é dito.

O PODER DO OLHAR
Para Arthur Arun, psicólogo norte-americano, o simples gesto de olhar nos olhos tem um impacto poderoso. Ao pedir a estranhos que o fizessem depois de apenas alguns minutos de conversa, percebeu que tinham ficado fortemente atraídos uns pelos outros.

MENOS STRESS
A Federação Mundial do Coração defende que o amor faz bem. Por isso, apela a todos os casais que demonstrem livremente as suas emoções. É que, afirma, o amor reduz o stress, a depressão e a ansiedade, factores associados às doenças cardíacas.

NEGÓCIO DAS PRENDAS EM LUME BRANDO

O Dia dos Namorados é assinalado na montra da maioria das lojas, mas o entusiasmo não é geral. A verdade é que a data já animou mais as vendas.

LISBOA. A União de Associações do Comércio e Serviços de Lisboa (UACS) distribuiu um cartaz alusivo ao Dia dos Namorados pelos seus associados. Tal como em anos anteriores, a ideia é atrair o cliente e, regra geral, as “pessoas ficam satisfeitas”. O presidente da UACS, Diogo Afonso, não acredita que a data revitalize assim tanto o comércio, “mas sempre dá uma ajuda”. O sector que mais lucra com este dia é o das prendinhas, como os perfumes e chocolates.

COIMBRA. Na perfumaria Balvera, as vendas subiram 20% nos últimos dias. Mas, segundo Ana Sousa, os apaixonados “andam um bocadinho forretas” e optam por frascos mais pequenos.

ÉVORA. “Tem de se poupar”. Quem o diz é Daniel Direitinho, que gastou apenas 12 euros numa almo-fada em coração para a namorada. “Os clientes optam por artigos mais baratos”, disse a dona da Loja das Prendas.

BRAGA. O Dia de S. Valentim é um bom incenti-vo às compras. Os anúncios dos saldos ainda estão nas montras, mas os comerciantes asseguram que as novas colecções são as preferidas dos namorados.

PORTO. Exceptuando os bombons e as flores, os namorados do Porto parecem não se entusiasmar com este dia. Por isso, os comerciantes não lhe atribuem relevância.

LEIRIA. “Nota-se bem que há muitos apaixonados”, diz Idalina Carreira, gerente da FunnyShop, onde a afluência duplicou. Corações e ursos de peluche têm sido as prendas mais procuradas.

PORTIMÃO. São cada vez menos as lojas a apostar no Dia dos Namorados. “Este ano está muito fraco. São raros os clientes que procuram prendas”, diz Mónica Nicolau, gerente de uma perfumaria.

Carla Marina Mendes/ I.R.

3 comentários:

Antonio Melenas disse...

Caros Amigos.
Felicito-vos e congratulo-me por esta confratenização de idiomas ibéricos. Que excelente ideia!
Já agora, permito-me aconselhar-vos uma visita a este audioblogue:
http://www.estudioraposa.com/
Ali se podem econtrar, actualizadas todas as semanas, poesias e contos populares portugueses ditos pela excelente voz de Luís Gaspar

juanlusz disse...

Olá António, foi um prazer receber a sua resposta no nosso blog na Extremadura. Obrigado pelo endereço que enviou. Já o visitei e estou a gostar. Até breve

Jorge Guimarães Silva disse...

Um excelente texto, com muita informação útil.