sábado, 9 de fevereiro de 2008

"Brasileiro naturalizado? Ah, não é português"


O poeta, ensaísta, ficcionista e dramaturgo Jorge de Sena (1919-1978) exilou-se no Brasil em 1959, receando as perseguições políticas resultantes de uma falhada tentativa de golpe de estado, a chamada "Conspiração da Sé", a 11 de Março desse ano, em que estava envolvido. A mudança para o Brasil permite-lhe uma reconversão profissional que vai ao encontro da sua vocação, dedicando-se ao ensino da literatura, acabando por se doutorar em Letras na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Araraquara (São Paulo), em 1964, obtendo também o diploma de Livre-Docência, para o que teve que naturalizar-se brasileiro (1963).

Um dos poemas que surgiu numa viagem que fez por vários países europeus foi este "O ecumenismo lusitano ou a dupla nacionalidade", em que ele, português naturalizado brasileiro, fala de uma dupla experiência a esse respeito acontecida na Alemanha.


O ECUMENISMO LUSITANO OU A DUPLA NACIONALIDADE

Pela porta lateral da catedral em Colónia
(construída –é vero– para os ossos dos Reis Magos)
eu saía para o branco sol da manha de inverno,
quando um rumor de português subia
em negros hábitos a escada. Freiras
a quem falei sim brasileiras peregrinas
de pouso em pouso a Roma. Quando eu disse
que eu era brasileiro a madre cujo véu
rodeava um rosto emaciado e luso
disse: –Ah, naturalizado, não é brasileiro–.
O outro caso foi em Hamburgo na
Hauptbahnof. O quiosque dos jornais
de todas as línguas. Chega uma mulher
morena –um traço dentro de opulentas peles– e pergunta
por jornais lusitanos em alemão razoável.
Era evidente que só um português dos tais desejaria
em Hamburgo informar–se assim do estado do universo.
É portuguesa? Sou. Palavra puxa palavra,
eu também era. Mas ela exclamou:
–Brasileiro naturalizado? Ah, não é português–
E voltou–me as costas com o periódico na mão,
equilibrando as pernas ainda de varina
dificilmente nos tacões finíssimos.


Exorcismos (1972)



4 comentários:

boralá disse...

agora criámos slogans em PLE contra a violência doméstica... criatividade precisa-se... passa por lá e deixa o teu..

Beijos de Berlin

Anónimo disse...

Muy buenas,
perdoneme que me dirija a usted en castellano, pues no controlo el portugues al 100%, y a decir verdad, no llego ni al 50% pero bueno, aun soy joven, y espero aprenderlo de aquí a unos años.

Me dirijo a usted, desde una pagina iberista:
http://unioniberica.forogeneral.es

Somos unos cuantos iberistas, que humildemente hemos creado un punto de encuntro para poder debatir nuestras inquietudes. Queremos extender el iberismo, como una nueva corriente integradora para una Iberia unida, constituida en una republica federal. Así pues, no encantaria disponer de su blog dentro de contactos iberistas, pues creemos que es interesante y muy util sus articulos para la expansión de la cultura lusa.

Esperemos que nos de su beneplacito. Se puede en poner contacto conmigo a tegid_5@hotmail.com, a traves de la pagina antes citada, o poniendo un comentario aquí mismo.

Muchas gracias por su tiempo.

Un saludo

Alberto Barrios

Pedro Luis disse...

Alberto, no hay ningún problema, por supuesto, para que coloquen un enlace en su blog al nuestro, y digo "nuestro" porque éste es el blog de la APPEX (Asociación del Profesorado de Portugués de Extremadura), un colectivo, y no una sola persona, como puede ver.

Saludos,
Pedro

Alberto disse...

Si, tenemos un usuario, que se tuvo que sacar un certificacdo de portugues o algo así, y ya habia tratado con vosotros y en recomendación suya encontramos este blog, el cual nos pareció muy interesante desde el punto de vista cultural entre Portugal y España.

Muchas gracias por todo

Alberto