quarta-feira, 14 de fevereiro de 2007

Sérgio Rizzo, Amores (Im)possíveis

Nascido em 21 de setembro de 1965, em São Paulo, Sérgio Rizzo é jornalista e mestre em Artes/Cinema pela escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo com uma dissertação sobre a obra de Woody Allen. Começou a escrever sobre cinema aos 16 anos em um extinto jornal de bairro da capital, "Gazeta da Vila Prudente". Hoje, é crítico de cinema da Folha de S. Paulo e das revistas "Set" e "Educação", além de manter colunas em "A Gazeta Esportiva" e na revista "Melhor – Vida & Trabalho", e colaborar com outras publicações. É também professor e vice-coordenador de Jornalismo da Faculdade Cásper Líbero, onde criou um curso de extensão universitária em jornalismo cultural e ministra uma oficina especializada em cobertura jornalística de cinema.
Eu o lia como crítico de cinema, antes de selecionar o filme para assistir, sempre muito certeiro nas suas apreciações. Depois tive a sorte de participar como aluna de um curso de Cinema e educação lecionado por ele em São Paulo, e até pedimos a sua colaboração para uma mostra de cinema espanhol nessa cidade que depois não se concretizou. Brinquei durante umas semanas a estar apaxionada até. Neste dia de São Valentim, fica a resenha de um dos muitos amores impossíveis e platônicos.

1 comentário:

Wellington Almeida disse...

Ola carmen como estás?

Olha uam coisa, nao percebi muito bem, o texto em rosa é teu? Conheces o Rizzo? Eu acho ele um grande critico de cinema!